A Índia rendeu-se ao príncipe que assumiu ser gay em horário nobre

O marajá de Rajpipla deserdou e repudiou o filho quando ele confessou publicamente a sua homossexualidade. A reconciliação veio depois de Manvendra Singh Gohil aparecer no programa de Oprah Winfrey. A ONU deu-lhe um prémio pelo seu activismo na luta contra a sida. Encontrou o amor num reality show, mas não deu certo. Na primeira pessoa, esta é a sua história. (Ler mais | Read more…)

Manvendra Singh Gohil, descendente de uma dinastia com 600 anos, nasceu num berço de ouro, como ele próprio nos disse: “Tive todos os luxos reservados a um príncipe herdeiro. Nada me faltou – a melhor educação, a melhor alimentação, as melhores roupas, o melhor de tudo para a vida”. Mas não era feliz. @Renee Nowytarger/Newspix/Getty Images)

Manvendra Singh Gohil descende de uma dinastia com 600 anos. Nasceu num berço de ouro, como ele próprio disse: “Tive todos os luxos reservados a um príncipe herdeiro. Nada me faltou – a melhor educação, a melhor alimentação, as melhores roupas, o melhor de tudo para a vida”
© Renee Nowytarger | Newspix | Getty

Manvendra Singh Raghubir Singh Sahib Gohil é o meu nome completo, mas podem chamar-me Pink Prince. Não me ofendo, pelo contrário. Os meus antepassados, provavelmente, já adivinhavam que teriam um descendente gay, porque eu vivo num palácio vitoriano cor-de-rosa em Rajpipla, distrito de Gujarat, um dos mais prósperos estados da Índia.

Nasci a 23 de Setembro de 1965 e sou o yuvaraj (príncipe) herdeiro do marajá (grande rei) Shri Raghubir Rajendrasinghji Sahib e da maharani (grande rainha) Rukmani Devi Sahiba. Tenho uma irmã mais nova, uma princesa que se casou com um príncipe de Jammu e Caxemira.

A minha dinastia, Gohil, tem aproximadamente 600 anos. À semelhança de outras famílias reais que governavam os seus domínios durante o Império Britânico, a minha aceitou integrar-se na União Indiana, após a independência em 1947. Em 1968, a República da Índia invalidou os títulos de nobreza.

O meu bisavô foi o último rei reconhecido, mas ainda mantivemos poderes e privilégios. Em 1971, a primeira-ministra, Indira Gandhi, desconfiada de que as famílias reais se estavam a tornar demasiado poderosas politicamente, retirou-nos prerrogativas e privilégios. Hoje, o nosso papel é meramente protocolar, mas ainda muito respeitado pelo povo, porque somos guardiões das tradições.

Nasci num berço de ouro. Tive todos os luxos reservados a um príncipe herdeiro. Nada me faltou – a melhor educação, a melhor alimentação, as melhores roupas, o melhor de tudo para a vida.

Estudei em Bombaim (actual Mumbai). Fiz aqui toda a minha formação. Licenciei-me em Direito, mas nunca tive intenção de praticar. O objectivo era ter conhecimento para gerir as nossas propriedades e bens. Se sabemos direito, não dependemos de advogados. Chegámos a ter 11 palácios, agora só temos três. Muitos foram vendidos e alugados.

O palácio onde nasci tinha 35 quartos – alguns fazem agora parte de um hotel, gerido por nós. Temos mais de 100 funcionários, 25 dos quais criados da família. Eu tenho cinco. A minha cozinheira, por exemplo, tem 65 anos, e o meu secretário 85 – vão comigo para todo o lado.

Há mais de dois séculos que os seus parentes trabalham para nós. Dependo muito dos meus criados. Tinha 15 anos quando atravessei sozinho uma rua, pela primeira vez. Só para conduzir é que dispenso o chauffeur – ele viaja comigo no banco de trás. Apenas conduz quando eu estou cansado. De resto, fica a guardar o meu jipe ou o meu automóvel, e encarrega-se das questões de oficina.

Membros da comunidade LGBT, a que pertence Manvendra Singh Gohil, desfilam na marcha Bangalore Queer Pride Parade em 2012, em Bengaluru, na Índia. @DR (Direitos Reservados | All Rights Reserved)

Membros da comunidade indiana LGBTQ, a que pertence Manvendra Singh Gohil, desfilam na marcha Bangalore Queer Pride Parade em 2012
© Direitos Reservados | All Rights Reserved

A relação com os meus criados é tão estreita que, quando comecei a ter lições de condução, fiz mal uma manobra, embati numa árvore e o instrutor saiu pelo vidro da frente com dois dentes partidos. Nunca quis ir ao dentista – disse-me que estar desdentado é uma boa recordação.

Talvez tenha sido essa dependência que levou Gareth McLean, do diário britânico The Guardian, a achar “fraquinho” o meu aperto de mão quando me entrevistou. Disse que eu estou “mais habituado a vénias”, o que é verdade.

O importante foi ele ter concluído que sou “um tipo doce, franco e amigável, embora um pouco desligado da realidade, talvez por ser da realeza”. Sim, é mais próxima a minha relação com os criados do que com os meus pais biológicos.

Uma governanta cuidou de mim desde que nasci. Não chamo mãe à minha mãe, nem pai ao meu pai. Trato ambos por Sua Alteza. Eles chamam-me príncipe. Se eu quiser encontrar-me com o meu pai, tenho de marcar dia e hora com os seus secretários pessoais.

É uma relação muito fria, formal. Não há amor, não há afecto. Por isso, não foi um grande desgosto quando o meu pai anunciou – depois de eu ter assumido publicamente a minha homossexualidade – que me retirava o título de príncipe herdeiro e me deserdava. Ou quando a minha mãe publicou um anúncio nos jornais ameaçando processar quem dissesse que eu era filho dela.

A Índia é segundo país do mundo, depois da África do Sul, mais assolado pelo HIV/sida", diz o príncipe. "O problema é tanto mais grave quanto 80% dos gays são casados – a homossexualidade permanece um crime ao abrigo do Artigo 377 do Código Penal da Índia, resquício dos tempos coloniais" © India Today

“A Índia é segundo país do mundo, depois da África do Sul, mais assolado pelo HIV/sida”, diz o príncipe. “O problema é tanto mais grave quanto 80% dos gays são casados – a homossexualidade permanece um crime ao abrigo do Artigo 377 do Código Penal da Índia, resquício dos tempos coloniais”
© India Today

Eu até percebo por que agiram assim. Foram pressionados por outros membros de famílias reais, receosos que eu, o primeiro a ousar “sair do armário”, identificasse quem, entre eles, eram os gays e as lésbicas – e eu sei bem quem são. Em todo o caso, as acções dos meus pais foram consideradas ilegais pelo Supremo Tribunal da Índia.

A descoberta da minha homossexualidade não foi fácil. Eu tinha 13 anos e percebi que não me sentia atraído por raparigas. A minha avó escolheu um rapaz de 12 anos para tomar conta de mim, porque eu não podia misturar-me com plebeus, e as mulheres e homens têm aposentos separados nos palácios. Foi com esse rapaz que percebi a atracção por pessoas do meu sexo.

Andávamos a cavalo e nadávamos. Eu não gostava de actividades desportivas e preferia ler livros e ouvir música clássica. Aos cinco anos, aprendi a tocar harmónio.

Ainda hoje tenho lições em Bombaim, onde vou frequentemente. Tenho aqui um grande apartamento (e uma antiga mansão, que aluguei a um banco), onde me instalo com os meus cinco criados.

A princípio, pensei que o casamento mudaria a minha orientação sexual. Julgava que era uma fase temporária. Estava confuso e não tinha ninguém com quem desabafar.

A participação no antigo programa de Oprah Winfrey permitiu a reconciliação do príncipe com os seus pais, que antes o haviam repudiado por ser gay @DR (Direitos Reservados | All Rights Reserved)

A participação no (antigo) programa de Oprah Winfrey permitiu a reconciliação do príncipe com os seus pais, que antes o haviam repudiado por ser gay
© Direitos Reservados | All Rights Reserved

Comecei a ser apresentado a várias princesas e escolhi uma, Chandrika Kumari, de Jhabua, estado de Madhya Pradesh. Casámo-nos em 1991. Eu tinha 25 anos e ela 22. Foram 15 meses de fracasso.

Era uma relação de irmãos que não foi consumada. A princesa nunca chegou a saber que eu era homossexual. Nunca falámos no assunto. Ela pensou, inicialmente, que eu tinha outra mulher, mas depois convenceu-se de que não havia ninguém.

Em 1992, decidimos separar-nos e, no ano seguinte, anulámos o casamento. Em tribunal, assegurei que ela continuava virgem, e provei que não era impotente – ambos apresentámos atestados médicos.

Quando ela saiu do palácio, deu-me um conselho: “Por favor, que mais nenhuma rapariga seja infeliz por tua culpa.” Fiquei emocionado, e prometi que não voltaria a casar-me.

Por volta de 2000, começou a ser publicada uma newsletter chamada Bombay Dost (Amigo de Bombaim). Tinha uma tiragem limitada e eu comprava-a às escondidas. Lia-a na minha casa de banho. Comecei a corresponder-me com alguns leitores usando endereços de amigos, para ninguém me identificar.

Um dia telefonei a uma das pessoas que me escreviam e combinámos encontrar-nos na cantina da minha universidade. Foi assim que conheci Ashok Row Kavi, o director de Bombay Dost, e o primeiro activista gay da Índia. Ele, curiosamente meu vizinho, retirou-me o sentimento de culpa, o peso na consciência. Garantiu-me que eu era normal.

O príncipe Manvendra Singh Gohil apoia a comunidade LGBTQ na Índia através da sua organização The Lakshya Trust, premiada pela ONU com o Civil Society Award © The Indian Express

O príncipe Manvendra Singh Gohil apoia a comunidade LGBTQ na Índia através da sua organização The Lakshya Trust, premiada pela ONU com o Civil Society Award
© The Indian Express

Em 2000, juntámos uns 60 homossexuais num dos meus palácios e, na presença de representantes do governo, fundei o Lakshya Trust, a primeira organização de prevenção contra o HIV/sida entre a comunidade gay de Bombaim. Dou a esta instituição, que tem três centros de aconselhamento e tratamento em Gujarat, 65 por cento dos meus rendimentos.

Em 2006, reconhecendo o valor do meu trabalho – também sou director da APCOM, uma coligação da Ásia-Pacífico que lida com a saúde sexual masculina –, as Nações Unidas atribuíram ao Lakshya Trust o Civil Society Award.

O prémio foi entregue pela Fundação Bill e Melinda Gates. O Lakshya Trust tem três centros em Gujarat. O seu trabalho é educar gays e toxicodependentes para prevenirem a propagação do HIV/ sida. Planeamos também, para breve, a abertura de um hospício para doentes terminais. Temos cerca de 150 funcionários e ajudamos uns 17 mil homens.

A Índia tem 2,5 milhões de infectados – são dados oficiais, mais realistas do que os da ONU (que aponta para 5,7 milhões), porque se baseiam em censos locais, levados a cabo também com a nossa colaboração.

Não deixa de ser trágico, a Índia é segundo país do mundo, depois da África do Sul, mais assolado pelo HIV/sida. O problema é tanto mais grave quanto 80% dos gays são casados – a homossexualidade permanece um crime ao abrigo do Artigo 377 do Código Penal da Índia, resquício dos tempos coloniais. Uma das nossas acções é distribuir preservativos, alertar para o risco de múltiplos parceiros e promover o sexo seguro.

Em 2006, eu já me sentia mais confiante. Quatro anos antes, tinha sido hospitalizado, com um colapso nervoso, porque a minha mãe insistia em que voltasse a casar-me para me curar do que ela considerava ser “uma doença”. Quando uma jornalista me pediu uma entrevista para falar sobre o meu papel no Lakshya (Alvo), decidi assumir-me, publicamente, como homossexual.

Não esperava o impacto que a notícia teria. Foi uma espécie de terramoto que fechou o país. A entrevista espalhou-se pela Índia. Estava em todos os noticiários, e ninguém falava em mais nada.

Manvendra Singh Gohil ganhou celebridade quando entrou num reality show da BBC 3, Undercover Princes, juntamente com os príncipes Remigius Kanagarajah, do Sri Lanka (à direita), e Africa Zulu, da casa real sul-africana Onkweni (ao centro): foi um convívio atribulado © Direitos Reservados | All Rights Reserved

Manvendra Singh Gohil ganhou celebridade quando entrou num reality show da BBC 3, Undercover Princes, juntamente com os príncipes Remigius Kanagarajah, do Sri Lanka (à direita), e Africa Zulu, da casa real sul-africana Onkweni (ao centro): foi um convívio atribulado
© Direitos Reservados | All Rights Reserved

Não foram só os meus pais que me repudiaram por “actividades objectáveis pela sociedade”, os 100 mil habitantes de Rajpipla queimaram as minhas fotos e efígies. Ir ao show da Oprah Winfrey, em 2007, foi como uma revolução nas mentalidades.

As reacções homofóbicas diminuíram, pelo menos em Rajpipla. Muitas pessoas desconheciam o meu activismo no Lakshya e ficaram sensibilizadas. E as que beneficiavam da minha ajuda – dou aulas de ioga, ensino técnicas de agricultura biológica (tenho a minha própria quinta), faço doações para hospitais e escolas, ofereço oportunidades de emprego – voltaram a tratar-me como um nobre e não como um pária. Participei depois numa parada gay na Suécia – o melhor lugar do mundo para os homossexuais viverem.

Fiquei impressionado ao ver ministros e deputados a desfilarem pelas ruas sem quaisquer complexos. Também entrei num reality show da BBC 3, Undercover Princes, juntamente com os príncipes Remigius Kanagarajah, do Sri Lanka, e Africa Zulu, da casa real sul-africana Onkweni.

Foram quatro episódios, uma hora cada [o último foi exibido este mês de Fevereiro de 2009], gravados numa casa em Brighton, onde assumíamos falsas identidades, em busca do “amor verdadeiro”.

Para não ser reconhecido, rapei o meu bigode, pela primeira vez. Fingi ser camareiro no New Madeira Hotel, e foi muito duro. Nunca antes tinha ido a um supermercado, e muito menos lavado pratos ou o chão.

Igualmente complicada foi a convivência com o príncipe zulu. Ele ficou escandalizado quando soube que eu era gay. Levou uma Bíblia, e avisou-me que era pecado um homem gostar de outro homem. Eu respondi que, felizmente, era hindu e que o Kama Sutra já existia antes de Jesus Cristo nascer.

Seja como for, encontrei o meu amor. Foi num bar, em Agosto de 2008. Ele chama-se Michael Lower e tem 35 anos. O programa jamais passará na Índia, por causa da criminalização da homossexualidade.

Não há cenas de sexo, mas há muitos abraços, beijos e mãos dadas. Levei-o para Rajpipla, e apresentei-o ao meu pai, que o aceitou – com as câmaras da BBC a gravar este encontro.

Foi uma bonita experiência, mas chegámos à conclusão de que não daria certo. Havia uma grande diferença social entre nós. Ele era empregado de um quiosque de jornais cujo dono é um indiano.

Eu sou um príncipe. Continuamos amigos. Falamos quase todos os dias, por telefone ou e-mail. Ele voltará em Outubro para assistir ao festival de música e belas-artes que eu organizo todos os anos.

Como é tão difícil encontrar um companheiro (há mais homens interessados no meu dinheiro do que em amar-me), decidi que, quando o meu pai morrer e eu subir ao trono, vou adoptar um filho. Será alguém, sensível e inteligente, da minha família alargada.

Não quero que esta linhagem termine comigo, que sou o 39º. Rajpipla era governado pelos Parmar, que não tinham herdeiros masculinos. Uma princesa deste clã casou-se então com o marajá de Bhavnagar e um dos seus filhos foi adoptado pelos Parmar. Assim nasceu, com uma adopção, a minha dinastia Gohil.

(A partir de uma entrevista telefónica com o príncipe, em Bombaim, e uma troca de e-mails com o jornalista Gareth McLean, do diário “The Guardian”, em Londres).

O príncipe no seu palácio. @DR (Direitos Reservados | All Rights Reserved)

O príncipe no seu palácio
© Direitos Reservados | All Rights Reserved

Este artigo foi publicado originalmente no jornal PÚBLICO em 22 de Março de 2009 | This article was originally published in the Portuguese newspaper PÚBLICO, on March 22, 2009 

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s