O Egipto de Nawal El Saadawi e Bothaina Kamel

A primeira mulher a disputar a Presidência em 2005 não votou na única candidata em 2012 “Sem programas políticos, seria como escolher entre um pénis e um clítoris”, disse a feminista. “Recuar equivaleria à autodestruição”, respondeu, por seu turno, a antiga celebridade da televisão nacional. (Ler mais | Read more…)

"Todos os dias a guarda prisional chegava ao pé de mim e dizia: ‘É mais perigoso, para si, eu encontrar na cela papel e caneta do que uma arma.’", conta Nawal. "Não me rendi. Pedi ajuda a uma prostituta (muitas leram os meus livros), ajudante da guarda que nos trazia o pão. No dia seguinte e durante três meses, ela apareceu com rolo de papel e o seu eyeliner. Foi deste modo que escrevi Memórias da Prisão”. © Direitos Reservados | All Rights Reserved

“Todos os dias a guarda prisional chegava ao pé de mim e dizia: ‘É mais perigoso, para si, eu encontrar na cela papel e caneta do que uma arma.’”, conta Nawal. “Não me rendi. Pedi ajuda a uma prostituta (muitas leram os meus livros), ajudante da guarda que nos trazia o pão. No dia seguinte e durante três meses, ela apareceu com rolo de papel e o seu eyeliner. Assim escrevi Memórias da Prisão
© Direitos Reservados | All Rights Reserved

Em Setembro de 2005, Nawal El Saadawi abriu um precedente e tornou-se na primeira mulher a disputar o lugar de Mubarak em eleições presidenciais. A ousadia forçou-a ao exílio. Seria, pois, de esperar que, este ano, derrubado o ditador, ela apoiasse Bothaina Kamel, única mulher candidata à chefia do Estado, mas a psiquiatra, escritora e destacada feminista, a quem chamam “Simone de Beauvoir do Egipto”, decidiu boicotar o que designa por “um jogo sujo”.

“Ela não deveria participar neste jogo, mas está a acomodar-se a ele”, diz Nawal El Saadawi, numa entrevista, por telefone, criticando a decisão de Bothaina Kamel, 50 anos, antiga celebridade televisiva venerada pelos seus partidários como “a mulher que vale 100 homens”.

Para a octogenária sem tabus que militou contra o Rei Farouk, a ocupação britânica do Egipto e o Raïs Anwar el-Sadat, “a corrida presidencial é como uma corrida de cavalos, e os concorrentes não estão lá pelo povo, e sim para garantir os seus interesses, poder e dinheiro. Em seu entender, Bothaina deveria afastar-se”.

Quando a inquirimos sobre a sua própria candidatura em 2005, Saadawi justificou: “Acima de tudo, eu queria desafiar [Hosni] Mubarak, expor a sua corrupção. Era também minha intenção denunciar a hipocrisia da democracia. A polícia andou sempre atrás de mim assim que registei o meu nome.”

“Da minha parte, foi um gesto simbólico com o intuito de encorajar outras mulheres. Acabei por boicotar as eleições devido à perseguição policial, que impediu todos os meus comícios. Não desisti, porque cumpri os meus objectivos. Nunca quis ser presidente, apenas provar que, com Mubarak, a democracia era uma mentira. E, hoje, a democracia no Egipto continua a ser uma mentira.”

Em 1998, o programa de rádio Confissões Nocturnas, de Bothaina Kamel foi cancelado, sob a acusação de "manchar a reputação do país e dos seus jovens", por abordar questões como homossexualidade e relações extraconjugais. Em 2005, durante um referendo, a locutora da televisão estatal andou pelas ruas e constatou que as secções de voto estavam quase vazias. Ao chegar ao estúdio, teria de anunciar afluência maciça. Era mentira e ela demitiu-se. © Direitos Reservados | All Rights Reserved

Em 1998, o programa de rádio Confissões Nocturnas, de Bothaina Kamel foi cancelado, sob a acusação de “manchar a reputação do país e dos seus jovens”, por abordar questões como homossexualidade e relações extraconjugais. Em 2005, durante um referendo, a locutora da televisão estatal andou pelas ruas e constatou que as secções de voto estavam quase vazias. Ao chegar ao estúdio, teria de anunciar afluência maciça. Era mentira e ela demitiu-se
© Direitos Reservados | All Rights Reserved

[Na segunda volta das presidenciais de 2012,, venceu o candidato da Irmandade Muçulmana, Mohamed Morsi, que tomou posse a 30 de Junho. Em 3 de Julho de 2013, foi destituído e detido pelo Exército (num golpe que alguns opositores liberais e laicos aprovaram).  A 20 de Agosto, o Guia Supremo da Irmandade, Mohammead Badie, 70 anos, foi preso.A 22 de Agosto, Hosni Mubarak foi transferido da prisão para um hospital militar onde se encontrava sob detenção domiciliária, depois de um tribunal ter ordenado a sua libertação – num dos vários processos de que é alvo.]

“Sejamos francos: nenhum dos candidatos, homens e mulheres, apresentaram um programa político e estas eleições não são livres”, insurgiu-se a destemida Saadawi, cuja volumosa cabeleira branca e olhar cintilante ajudaram a colorir os protestos na Praça Tahrir, no Cairo, em 2011. “A minha escolha não pode ser entre um pénis e uma vagina, mas entre um e outro programa.”

“Respeito muito a Dra. Saadawi e concordo com ela quanto à possibilidade de fraude eleitoral, mas tenho um programa detalhado, redigido por pessoas qualificadas”, respondeu Bothaina Kamel, em declarações por e-mail, sem especificar os pontos mais importantes do seu projecto.

“Temos de lutar, porque permitir que o antigo regime se mantenha no poder seria equivalente a uma autodestruição. Este não é o momento de tomar posição e depois recuar.”

Quando é que Bothaina Kamel decidiu deixar de ser “a Oprah Winfrey do Egipto”, como a designaram os media americanos, para se dedicar à política? Não foi em 1998, quando o seu programa de rádio Confissões Nocturnas foi cancelado ao fim de seis anos, acusado pelas autoridades religiosas de “manchar a reputação do país e dos seus jovens”, por abordar questões como homossexualidade e relações extraconjugais.

A mudança aconteceu em 2005 – ano em que Saadawi concorreu – durante o referendo que emendou o Artigo 76 da Constituição, permitindo pela primeira vez eleições presidenciais directas com vários candidatos.

A famosa feminista egípcia Nawal el-Saadawi durante a apresentação de um dos seus livros em Londres, em 2009 © kazbah.net

A famosa feminista egípcia Nawal El Saadawi, na apresentação de um dos seus livros em Londres
© kazbah.net

A 25 de Maio de 2005, a locutora da televisão estatal andou pelas ruas e constatou que as secções de voto estavam quase vazias. Quando chegou ao estúdio, ao ver o alinhamento das notícias à sua frente, reparou que teria de anunciar uma afluência maciça às urnas. “Sabia que me estavam a pedir para ler uma mentira, por isso demiti-me”, relembra.

Logo após o referendo, Bothaina Kamel ajudou a fundar um grupo para supervisionar as legislativas. Chamou-lhe Shayfeeen.com, que significa, em árabe coloquial, “Estamos de olho em vós”. Isso não impediu os donos sauditas do canal por cabo Orbit de a convidarem para ser a estrela de um talk show,, designado Por Favor Entende-me.”

Este manteve-se no ar durante dez anos até à queda de Mubarak, quando ela resolveu investigar “o dinheiro roubado” pelo Presidente deposto. Os executivos da estação, temendo que viesse a público o alegado envolvimento da Casa de Saud na transferência de fundos do aliado e protegido, cancelaram a emissão meia hora antes de ir para o ar.

Acampadas dia e noite na Praça Tahrir até Mubarak ser forçado a sair de cena, em 11 de Fevereiro de 2011, Bouthaina Kamel e Nawal El Saadawi continuam a marcar presença nos protestos contra o Conselho Supremo das Forças Armadas (CSFA), que agora detém o poder.

O que correu mal para que uma junta militar tenha substituído um ditador e 70% dos deputados do novo Parlamento sejam islamistas e salafistas? “Bem, isto acontece em todas as revoluções, tanto no Oriente como no Ocidente – há sempre uma contra-revolução”, afirma Saadawi.

“O poder da contra-revolução no Egipto é interno e externo, porque o Egipto está colonizado pelos Estados Unidos, e desde Sadat que não é um país independente, mas uma colónia americana”, acusa Saadawi. “É verdade que o Exército se virou contra Mubarak, mas precisava do corpo do regime para sobreviver, e nós estávamos tão extasiados por o ditador sair de cena que nos deixámos iludir.”

“Os EUA, o CSFA, a Irmandade Muçulmana e a Arábia Saudita colaboram para fazer abortar a revolução. Não é verdade que a América esteja contra os fundamentalistas! Sempre disse que [Osama] Bin Laden e George W. Bush eram gémeos.”

Bothaina Kamel, durante a campanha para as presidenciais em 20111 © Lilian Wagdy

Bothaina Kamel, durante a campanha para as presidenciais em 2011
© Lilian Wagdy

Para a mais famosa feminista do mundo árabe, os islamistas e salafistas obtiveram uma maioria no Parlamento, “porque as eleições foram uma fraude”. Nawal El Saadawi boicotou as legislativas e vai boicotar as presidenciais, “porque os resultados já estão definidos”.

Isso significa que está pessimista? “Nunca estou pessimista!”, sublinha. “Sou sempre optimista, porque a esperança é poder. Cito um ditado: “O sucesso significa ir de fracasso em fracasso sem perder a esperança.” Se começarmos com 50% de esperança, já percorremos metade do caminho. Tenho confiança na revolução. Sei que vamos vencer.”

A confiança na vitória envolve, porém, risco de vida. “Todos nós estamos sob ameaça; podemos ser levados para a cadeia a qualquer momento, porque não temos protecção, mas eu, que posso viver em qualquer parte e tenho os meus [quase 50] livros traduzidos em mais de 30 línguas, decidi ficar no Egipto, ainda que me proíbam de dar aulas na universidade, de praticar Medicina e de aparecer na televisão, e onde só posso escrever para um jornal da oposição”, disse Saadawi, que Sadat condenou por “crimes contra o Estado”, em 1981.

“Ser colocada numa prisão foi sufocante”, recordou. “Todos os dias a guarda prisional chegava ao pé de mim e dizia: ‘É mais perigoso, para si, eu encontrar na cela papel e caneta do que uma arma.’ Não me rendi. Pedi ajuda a uma prostituta (muitas leram os meus livros) que era ajudante da guarda e nos trazia o pão.”

“No dia seguinte e durante três meses, ela apareceu com rolo de papel e o seu eyeliner. Foi deste modo que escrevi Memórias da Prisão. Escondi tudo numa marmita colocada num buraco fundo escavado no chão. Os inspectores nunca descobriram. Salvei a minha vida. Três meses sem escrever uma linha e eu teria morrido.”

"Concorri às eleições para ajudar a combater tabus", justificou Bothaina Kamel. © maybetomorrowproject.com

“Concorri às eleições para ajudar a combater tabus”, justificou Bothaina Kamel
© maybetomorrowproject.com

Exibindo um colar com o crescente do Islão e a cruz dos cristãos, uma pregadeira com a inscrição “Sou egípcia”, um pin proclamando “Contra a corrupção” e uma pulseira com a legenda “Fazer da pobreza história”, Bothaina Kamel admite que também ela corre perigo.

“Já fui detida duas vezes, tive de comparecer perante um tribunal militar, fui apedrejada e o meu motorista agredido com um objecto cortante que se destinava a perfurar a minha cabeça, fui espancada e tenho sido vítima de insultos por parte de soldados.”

Os slogans que a ornamentam servem para “demonstrar que tudo é possível”, refere a candidata muçulmana, consciente de que goza de maior simpatia entre as minorias como os Coptas, os Núbios e os Beduínos, por denunciar publicamente o incitamento ao ódio religioso e confessional.

Bothaina Kamel negou que a sua campanha, comparada com a de Amr Moussa, antigo secretário-geral da Liga Árabe, tivesse mais visibilidade externa do que interna. “As pessoas conhecem-me por estar ombro a ombro com elas nos protestos. Diziam-me sempre: “De todos os candidatos, só ela está connosco nas ruas.” A diferença é que os outros estão melhor organizados e têm mais fundos.”

Nawal Saadawi está a concluir um livro sobre os acontecimentos na Praça Tahrir pelos quais esperou “70 anos”. Embora os problemas “sejam agora diferentes”, será uma obra “cheia de esperança”. Porque ela se define como “uma escritora internacional”, uma “cidadã do mundo” que não acredita em “identidades restritas, seja de nacionalidade, classe, género ou religião.”

Um "cérebro patriarcal" é inaceitável para Saadawi, a mulher que aos 6 anos foi submetida à "ferida perpétua" da mutilação genital - uma tradição contra a qual se tornou uma activista acérrima. © Direitos Reservados | All Rights Reserved

Um “cérebro patriarcal” é inaceitável para Saadawi, a mulher que aos 6 anos foi submetida à “ferida perpétua” da mutilação genital – tradição contra a qual se tornou uma activista acérrima
© Direitos Reservados | All Rights Reserved

No exílio forçado por Mubarak, enquanto dava aulas em universidades prestigiadas como Harvard, separou-se do terceiro marido (e um dos seus tradutores) há quatro anos, porque ele, apesar de quatro décadas de vida em comum, “insistia em ser superior”.

Um “cérebro patriarcal” é inaceitável para Saadawi, a mulher que aos 6 anos foi submetida à “ferida perpétua” da mutilação genital – uma tradição contra a qual se tornou uma activista acérrima; aos 10 travou um casamento forçado usando “um de muitos truques” (enegrecer os dentes e derramar café a ferver, por exemplo) para afugentar pretendentes; tomou a iniciativa de se divorciar do primeiro marido, quando ele se entregou à droga, e do segundo, quando ele lhe lançou um ultimato: ou és dona de casa ou médica.

“Não tenho problemas com os homens – o meu problema é com a instituição do casamento!”, declarou, com sonora gargalhada, a autora de Women and Sex, obra em que afronta o establishment religioso.

“Ser psiquiatra influenciou o meu pensamento feminista. Foi importante conhecer e dissecar o corpo, descobrir os órgãos genitais, a sexualidade. Eduquei-me a mim própria.”

Bothaina Kamel também exulta com a sua transformação: “Já não me reconheço. Costumava ser uma “senhora da sociedade” que cuidava do cabelo, da maquilhagem, das unhas, ia ao ginásio e praticava ioga, conhecia a arte da boa vida. Agora, uso jeans, deixei de me pintar e como de tudo. A revolução derreteu as classes sociais – e isso foi uma das suas maravilhas.”

[Mohamed Morsi, que seria o candidato da Irmandade Muçulmana, venceu a segunda volta das eleições e, em 30 de Junho de 2012, tomou posse. Em 3 de Julho de 2013, foi afastado pelo Exército depois de gigantescos protestos populares como o Egipto nunca vira – nem quando começou a revolta que forçou à demissão do ditador Hosni Mubarak. O país é agora dominado pelo ambicioso general Abdel Fattah al-Sisi, que aspira concorrer às próximas presidenciais para “legitimar” o poder absoluto que detém.]

Celebração do Dia Internacional da Mulher, no Cairo, em Março de 2013 © Mahmud Khaled | AFP | Getty

Celebração do Dia Internacional da Mulher, no Cairo, em Março de 2013
© Mahmud Khaled | AFP | Getty

Este artigo, agora actualizado, foi publicado originalmente no jornal PÚBLICO em 4 de Abril de 2012 | This article, now updated, was originally published in the Portuguese newspaper PÚBLICO on April 4, 2012

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s