Biografia de uma família entre Meca e Las Vegas

Depois dos ataques da al-Qaeda nos Estados Unidos, em 11 de Setembro de 2001, o mercado editorial foi inundado com “biografias”, algumas sérias e outras oportunistas, de Osama bin Laden. O jornalista norte-americano Steve Coll, duas vezes premiado com o Pulitzer, foi mais longe e oferece-nos a história mais completa de um clã oriundo de uma terra com nome árabe de “A morte está entre nós” e que o FBI descreveu como sendo “99,999999% de variante não-maléfica”. (Ler mais | Read more…)

Mohammed bin Laden The grand patriarch of the bin Laden family, a billionaire industrialist and father of Osama, appears in a 1964 painting. @Photo Essays - TIME

Mohammed bin Laden, industrial bilionário, pai de Osama. Pintura de 1964
© Photo Essays – TIME

Os Bin Ladens – Uma família árabe no século americano (Ed. Tinta da China, 2008) é o resultado de uma longa investigação que incluiu mais de 150 entrevistas nos Estados Unidos, Arábia Saudita, Iémen, Grã-Bretanha, Suíça, Alemanha e Israel, além da pesquisa de documentos judiciais e administrativos e correspondência original.

O objectivo, bem conseguido, foi o de retratar os Bin Laden no microcosmo da família real saudita e no macrocosmo das relações entre Washington e a Casa de Saud, antes e depois do 11/9. Em mais de 650 páginas, Coll expõe, de forma brilhante, a luta contínua dos 24 filhos e 29 filhas de Mohamed bin Laden para conciliar tradição, religião e modernidade, aversão e atracção pelo Ocidente, “num mundo sem fronteiras”.

A história desta família começa com a fuga de Awad bin Laden da região desértica de Hadhramauth, no Iémen. Embora tivesse sido “uma poderosa federação”, com governantes e xeques, por volta do século XVII, a tribo Kenda a que pertenciam os Bin Laden tornara-se, devido à guerra incessante, “um mero clã familiar” de umas 400 a 500 pessoas em luta pela sobrevivência.

Quando a mais temível tribo Obeid exigiu (e ameaçou) Awad que pagasse 40 riais pela morte de um boi que pedira emprestado para lavrar a terra, o avô paterno de Osama não teve remédio se não abandonar a sua aldeia ancestral de Gharn Bashireih. Instalou-se em Doan, também no Iémen, fora do alcance dos Obeid, Trabalhou arduamente e morreu jovem. Teve três filhos: Mohamed, Abdullah e Omar (que não escapou às doenças que então afligiam as crianças).

Osama bin Laden, num retrato aos 16 anos, em 1973, um ano antes de se casar com a sua prima Najwa. @Photo Essays - TIME

Osama bin Laden, aos 16 anos, em 1973, um ano antes de se casar com a sua prima Najwa.
© Photo Essays – TIME

Aos 12 anos, órfão de pai, Mohammed juntou-se a caravanas de camelos e seguiu viagem a pé até ao porto de Mukalla. Daqui, velejou para África e arranjou trabalho na Etiópia, onde perdeu o olho direito (agredido por um patrão ou vítima de um acidente laboral – há as duas versões). Regressado a Doan, depois de um forte terramoto na Abissínia que devastou a economia local, voltou a partir, desta vez com o irmão Abdullah, em direcção a Jidá, na Arábia Saudita.

A descrição que Coll faz de Jidá quando Mohamed aqui chega, crê-se que em 1925, é tão minuciosa como todas as estórias, ora deliciosas ora amargas, que vai contando ao longo do livro. Nesta cidade onde as temperaturas “subiam muito acima dos 37 graus no Verão e os ventos impregnados de sal do Mar Morto asfixiavam a respiração, os jornais desfazem-se em farrapos, os fósforos recusam-se a acender e as chaves enferrujam no bolso. (…) Os produtos à venda no mercado estão cobertos com tantas moscas que não se sabe qual é a sua cor sem primeiro as afastar.” (p.39)

Foi nesta Jidá que durante mais de mil anos “serviu de porta de entrada para Meca”, atraindo muçulmanos de África, do Sudeste Asiático, da Índia e da Europa, que Mohamed e Abdullah, “tão pobres que de início dormiam numa vala cavada na areia”, cobertos com sacos, começaram a erguer um vasto e opaco império– sem livros de contabilidade e com contas offshore.

Alguns dos muitos membros da família Bin Laden durante umas férias na Suécia, em 1971. São contraditórias as versões sobre se Osama terá viajado com os seus parentes. Nesta foto está assinalada a sua presença, mas uma cunhada, Carmen, diz que não é ele mas um dos seus irmãos @Scanpix/ Sipa Press

Alguns dos muitos Bin Laden em férias na Suécia, em 1971. São contraditórias as versões sobre se Osama terá viajado com os seus familiares. Nesta foto está assinalada a sua presença, mas uma cunhada, Carmen, diz que não é ele, mas sim um dos seus irmãos
© Scanpix/ Sipa Press

O primeiro emprego de Mohamed foi de carregador, no comércio ligado aos peregrinos. Pouco tempo depois, vendia por conta própria alimentos grelhados no mercado de Nadha, rua paralela à linha costeira de Jidá. Atraído pela indústria ligada à construção civil, foi procurando trabalhos ocasionais neste sector. Em 1931, já tinha a sua pequena empresa de edifícios. Com a chegada da Grande Depressão, Mohamed voltou a empreender viagem, desta vez até Dhahran, onde foi assentador de tijolos e pedreiro.

Por esta altura, em 1933, os americanos já se tinham instalado na Arábia Saudita para explorar as riquezas petrolíferas recém-descobertas no reino fundado um ano antes por Abdulaziz Ibn Saud. Ainda que alguns possam não achar relevante, é um excelente trabalho jornalístico o perfil do monarca absoluto traçado por Coll, repórter da New Yorker que antes foi editor no The Washington Post.

Abdulaziz era “casado com 153 virgens e outras cem mulheres”. Adorava aparelhos de rádio para ouvir as notícias no seu palácio – a Marconi ajudou-o com este revolucionário sistema de comunicação a “seguir o rasto de potenciais rebeldes” e ele convenceu os eruditos islâmicos a aceitarem os programas de música da BBC dizendo-lhes que o problema estava nos botões e não nas emissões. Caçava antílopes com falcões, avariando em corridas no deserto os mais de 250 automóveis Ford e Chevrolet oferecidos por executivos americanos.

Em 1945, quando Abdulaziz se encontrou com Franklin Roosevelt, a bordo do navio de guerra Quincy Jones, para firmar uma aliança que ainda hoje é estratégica, anfitrião e visitante “começaram a falar acerca das maravilhas da cadeira de rodas, tendo o Presidente americano presenteado o rei com um dos últimos modelos.” (Pp 46-54).

Omar bin Laden, um dos filhos de Osama, com a sua mulher, Jane Felix-Browne, uma inglesa com o dobro da sua idade, seis casamentos e avó, durante uma visita a Roma, “para promover a paz e ter uma audiência com o Papa”. @Getty | Mail Online

Omar bin Laden, um dos filhos de Osama, com a mulher, Jane Felix-Browne, uma inglesa com o dobro da sua idade, seis casamentos e avó, durante uma visita a Roma, “para promover a paz e ter uma audiência com o Papa”
© Getty | Mail Online

Foi em Dhahran que Mohamed bin Laden chamou a atenção de um pedreiro americano, que o considerou “mesmo muito bom”. Em poucas semanas, o novo consórcio criado para explorar o petróleo – Arabian American Oil Company (ARAMCO) ­ promoveu-o a capataz da equipa de assentadores de tijolos e, meses depois, voltaria a ser promovido a supervisor.

Ao fim de um ano e meio, provadas as suas capacidades de dirigir pessoas e levá-las a executar o trabalho, Mohamed informou a ARAMCO que queria ter o seu próprio negócio. A ARAMCO aceitou atribuir-lhe empreitadas, porque era difícil recrutar americanos para a Arábia Saudita. Em 1935, o sucesso do iemenita era tão grande que se tornou independente do consórcio para se tornar dependente dos favores reais.

Começou por construir casas para alguns príncipes e “não se sabe bem quando e como Bin Laden conheceu Abdulaziz, mas rapidamente muitas ordens reais o autorizaram a estabelecer projectos em Riade”, o mais importante dos quais o primeiro palácio [de al-Murabba] inteiramente de pedra construído na capital.

Aqui, Mohamed concebeu uma “solução engenhosa” para o soberano chegar “com dignidade” à sala onde recebia os súbditos. Tratava-se de “uma rampa de pedra circular que ia da estrada particular do palácio até ao segundo andar. Era suficientemente larga e robusta para que Abdulaziz pudesse seguir num dos seus Ford directamente até ao Majlis, sair do automóvel e sentar-se no trono.”

Estes e outros projectos deram a Mohamed, já um homem rico, confiança necessária para se casar. Tinha quase 40 anos. Por volta de 1943, nasceu a primeira filha, Aisha, o nome da mulher favorita do profeta Maomé. Depois arranjou um segundo casamento com uma rapariga de 14 anos e nasceu o primogénito, entre 1944 e 1945.

Chamou-lhe Salem, em homenagem a um amigo. Osama é filho de uma síria, que tinha 14 anos quando se casou e menos de 18 quando Mohamed se divorciou dela (embora sempre a tivesse apoiado financeiramente – até lhe arranjou outro marido).

A ruptura familiar, que incluiu processos de divórcio mediáticos, como o de Carmen (na foto) e Yeslam bin Laden, permitiram concluir que Osama não era tão rico quanto se pensava. Nem tão devoto quanto clamava ser – não se importou, aparentemente, que o grupo de construção civil de que era accionista, transformasse a casa onde Maomé viveu em Meca antes das “revelações divinas” numa… “cintilante casa de banho pública”. @Sulekha.com

A ruptura familiar, que incluiu processos de divórcio mediáticos, como o de Carmen (na foto) e Yeslam bin Laden, permitiram concluir que Osama não era tão rico quanto se pensava. Nem tão devoto quanto clamava ser – não se importou que o seu grupo de construção civil transformasse a casa de Maomé em Meca numa… “cintilante casa de banho pública”
© Sulekha.com | AP

Salem ocupa uma grande parte do livro de Coll e, com ele e os seus Fokker-27, Learjet 25-D, Hwker-125, Boeing e um aeroporto em Houston (Texas), apercebemo-nos da paixão desenfreada e por vezes fatal que os Bin Laden têm por aviões. Mohamed foi o primeiro possuir um avião particular na Arábia Saudita e morreu quando o seu piloto americano despenhou o aparelho numa arrojada descolagem.

Salem, perito em acrobacias, também perdeu a vida numa pista, mas antes pagou aulas de voo à meia-irmã favorita, Randa, que sobreviveu por um triz a uma aterragem forçada. Outros na família sentiram o mesmo apelo pela aviação. Em 2001, seriam os aviões a arma usada por Osama (um dos raros que não aprendeu a voar) para destruir as Torres Gémeas em Nova Iorque.

Com Salem ganhamos também a percepção da luta que a família exerce pela influência social – podem ter-se tornado milionários mas, ainda vistos como hadhramis iemenitas, nunca poderão unir-se pelo casamento a membros da Casa de Saud. Coll descreve Salem, o bon vivant, como o oposto de Osama, o “príncipe do terror”, que só merece destaque a partir do capítulo X.

Enquanto o filho mais velho de Mohamed, que se tornou no patriarca da família após a morte do pai, gosta de álcool e rock & roll, o filho número 17 proíbe que na sua casa se veja os “blasfemos” vídeos da Disney e se beba por palhinhas porque estão não existiam no tempo do Mensageiro de Alá (pp 214-215).

Enquanto o primeiro esbanjava dinheiro em extravagantes festas de jet-set, o segundo angariava fundos para os Mujahedin afegãos (ainda que Salem tivesse ajudado nesta missão, com apoio de Ronald Reagan).

Waffah Dufour, uma das sobrinhas de Osama bin Laden, filha do meio-irmão Yeslam, posa para uma sessão fotográfica da edição de 2006 da revista GQ. Sobre o tio, disse a aspirante a estrela pop, nascida na Califórnia e residente em Nova Iorque: “Não tenho nada a ver com esse homem.” E apelou aos americanos: “Não me rejeitem, acolham-me de braços abertos, porque os vossos valores são os meus” @ Reuters

Wafah Dufour, uma das sobrinhas de Osama bin Laden, filha do meio-irmão Yeslam, posa para uma sessão fotográfica numa edição de 2006 da revista GQ. Sobre o tio, disse a aspirante a estrela pop, nascida na Califórnia e residente em Nova Iorque: “Não tenho nada a ver com esse homem”
© Reuters

Enquanto Salem sonhava construir em Jidá “uma propriedade familiar que se assemelhasse às Nações Unidas”, para acomodar quatro mulheres a quem propôs casamento (uma norte-americana, uma alemã, uma britânica e uma francesa); Osama planeava uma jihad (guerra santa) global.

Incapaz de encaixar na vida louca de Salem e de outros parentes, entre Meca e Las Vegas, Osama foi-se afastando cada vez mais da família, e a família foi obrigada ao corte (quase) total de relações quando ele renegou a Casa de Saud. Após a morte de Salem, os Bin Laden viveram altos e baixos mas nunca pensaram que um irmão tímido e discreto se tornasse num bárbaro terrorista, apátrida e fugitivo.

A ruptura familiar, que incluiu processos de divórcio mediáticos, como o de Carmen e Yeslam, permitiram concluir que Osama afinal não é tão rico quanto se pensava. E não é tão devoto quanto clama ser – não se importou, aparentemente, que o Bin Laden Group, de que era accionista, transformasse a mítico e original moradia onde Maomé viveu em Meca antes das revelações divinas numa… “cintilante casa de banho pública”. (pp. 445-447).

Foto 7

Filhos e netos de Bin Laden ficaram à guarda das autoridades paquistanesas, num apartamento em Islamabad, depois que o pai e avô foi morto, em 2011
© Zakaria al-Sadah/ MCT

Depois do 11/9, consciente da importância que os Bin Laden representavam para a Arábia Saudita e dos interesses dos EUA na Arábia Saudita, o embaixador do reino em Washington convenceu as autoridades americanas a fretarem aviões para recolherem – na Florida, na Califórnia e em Boston – vários elementos da família que se tornara indesejada.

Rapidamente, porém, tudo a voltou à normalidade. Os Bin Laden continuam a ser um dos maiores conglomerados da Arábia Saudita – da construção civil às telecomunicações. Um irmão é um dos principais accionistas do Hard Rock Café Middle East. Outros financiam filmes de Bollywood ou gerem prisões privadas nos EUA.

O actual patriarca, Badr, engenheiro formado na Universidade de Miami, tem um contrato para erguer o edifício mais alto no emirado do Dubai – entre os seus amigos estão Carlos, herdeiro do trono de Inglaterra, e os ex-presidentes norte-americanos George H. Bush (pai de W.) e Jimmy Carter.

Apesar de alguns ”deslizes” do autor, como chamar al-Quds, termo árabe para Jerusalém, à mesquita de al-Aqsa, naquela cidade (p.459) e de erros do tradutor/revisor como “interviu” em vez de “interveio” (p. 110), Os Bin Ladens, tal como o anterior livro de Coll que lhe valeu um Pulitzer, Ghost Wars: The Secret History of the CIA, Afghanistan and Bin Laden, from the Soviet Invasion to Sept. 10, 2001, é indispensável a quem procure entender a relação bizarra entre os Estados Unidos e a Arábia Saudita – o maior produtor mundial de petróleo e o primeiro exportador do fundamentalismo islâmico, wahabita, antes do Irão, xiita, em 1979.

Mesmo que Osama jamais tivesse existido, a assombrosa história dos Bin Laden merecia ser contada.

[Osama bin Laden, foi executado no seu refúgio em Abbottabad, no Paquistão, durante a ‘Operação Neptune Spear’, por  forças especiais americanas, em 2 de Maio de 2011. O ataque contra o seu refúgio foi lançado, na véspera, a partir do Afeganistão, o país para onde o corpo foi levado para ser identificado e lançado ao mar, 24 horas após a sua morte. A organização do “príncipe do terror’ confirmou o óbito a 6 de Maio, com anúncios em vários ‘sites’ islamistas.]

Bin Laden, em 1984, no Afeganistão, onde pôs a sua fortuna ao serviço dos geurrilheiros que travavam uma "guerra santa islâmica" contra os invasores comunistas soviéticos. @Photo Essays - TIME

Bin Laden, em 1984, no Afeganistão, onde pôs a sua fortuna ao serviço dos guerrilheiros que travavam uma “guerra santa islâmica” contra os invasores comunistas soviéticos.
© Photo Essays – TIME

 

Este artigo, agora revisto e actualizado, foi publicado originalmente na revista “Relações Internacionais / R:I”, em Setembro de 2009 | This article, now revised and updated, was originally published in the Portuguese journal “Relações Internacionais / R:I” in September 2009

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s